Entre, aproveite, aqui tem poesia e algo mais...
"o ofício dos artistas é elementar para manter a saúde psíquica sem entorpecer-se"
Textos
Então tá...

Em 2013 acreditei que o “gigante” acordou por causa de R$ 0,20 centavos acrescidos à tarifa de ônibus.

Aprendi o que era um bando de gente à toa e nada patriota do “bloco preto”, que de tão brasileiro, se identificava no idioma do Tio Sam e era formado de pessoas que nem sabiam o porquê de estar ali... apenas queriam badernar. Destruíram fachadas de lojas, agências bancárias, pontos de ônibus, como se destruir empresas privadas ou o bem público fosse uma forma de melhorar o país.

Mas o grito geral era um pedido por mudança, por um país mais justo e menos corrupto, por uma pátria realmente educadora, por melhores condições de saúde, por melhorias na mobilidade humana, por reformas na estrutura política do país.

Veio 2014, com ele a tão esperada Copa do Mundo de Futebol e acabaram os protestos, veio o 7x1 e a zuação, veio o Governo e prometeu alguma coisa que ninguém lembra mais.

Vieram as eleições, a grande e real oportunidade para o “gigante” acordar e protestar usando apenas um dedo e algumas teclas.

E então reelegemos 56,5 % dos nossos Deputados Federais, orgulhosos por promover a maior renovação na Casa desde 1998, mas esquecendo de que dos 223 novatos, 25 estão de retorno à casa. Mais do mesmo.

No Senado Federal, das 27 vagas disponíveis houve 10 tentativas de reeleição, das quais metade alcançou êxito. E entre os cinco Senadores reeleitos, lá está Fernando Collor de Melo. Sem comentários.

Na presidência, todos já sabem. Venceu a força da máquina.

E chegou o ano de 2015. Tudo como antes...

Mas depois da noite branca, entre fogos, espumantes e abraços, acordamos com o fim do IPI, aumento no preço da energia elétrica, no preço do combustível e, consequentemente, aumento no preço dos alimentos (potencializado pela pouca oferta, dado a dificuldade de produção em período de seca), aumento da taxa de juros, aumento nas passagens de ônibus, mudanças nos direitos trabalhistas.

Como se não bastasse, veio o sistema de bandeiras na conta de energia elétrica, aumentando em R$ 3,00 o valor da conta para cada 100 Kwh quando a bandeira estiver vermelha, caso de Janeiro, com pouca chuva e maior dificuldade de produção da energia.

A promessa de uma “Pátria Educadora” caiu por terra nove dias depois, com o corte de, aproximadamente, R$ 500 milhões mensais na verba destinada à Educação.

Chegou fevereiro com a notícia de um aumento de 83,0 % na tal taxa das bandeiras das contas de energia elétrica, elevando em R$ 1,50 a taxa que foi definida há apenas 1 mês atrás. E ainda estamos na bandeira vermelha. R$ 5,50 a cada 100 Kwh.

E o “gigante” que dizem que acordou por causa de R$ 0,20? Deve estar confeccionando sua fantasia de otário para brincar o carnaval.

Afinal, estamos mesmo de mudança?

Tenho dúvidas.



(Imagem: www.encontrabrasil.com.br)
Jefferson Lima
Enviado por Jefferson Lima em 07/02/2015
Alterado em 19/03/2015
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários
Site do Escritor criado por Recanto das Letras