Entre, aproveite, aqui tem poesia e algo mais...
"o ofício dos artistas é elementar para manter a saúde psíquica sem entorpecer-se"
Textos

Doutor,
estou aqui nem sei o porquê...

Talvez para tentar conhecer
os vários seres que me habitam.
Todos, uma variação de mim mesmo
(como uma versão distinta do eu).

Cá estou eu,
sentindo-me como numa forca moderna.
Sob um céu de concreto tudo me parece cinza,
neste cubículo tudo é novo, mas meu conteúdo é idoso.

Devo dissecar, escancarar e esvaziar meu interior.
Correntes me confundem, algo particular me prende
e na ausência de algo peculiar não me identifico.
Travo. E tudo o mais que disser será duvidoso.

Não sei ao certo como te contar
que sou feito de tudo um pouco...

Habitam, lado a lado, bem e mal.
Doçura e perversidade coexistem,
entrelaçam-se, manifestam-se,
interagindo em Saara e sal.

Pinto estrelas em meu céu particular.
Saem de mim gotículas de um azul infinito
e volto a sorrir enxugando a teimosa lágrima...
Ainda há chance para o mundo que vejo!

E sigo a pensar que nem tudo está perdido...
Confesso-me metamorfose.

Um ser tranquilo e sensato, tempestade e ventania.
Um conjunto de contradições e certezas,
amor e ódio, carinho e desapego,
música e silêncio, razão e poesia...

Poesia... sou poeta!

Em mim habitam os mais lindos versos.
Também os piores pensamentos!
No meu coração tocam canções maravilhosas
e planos diabólicos são gerados.

Na minh’alma habita o sagrado.
Pelos meus poros escapa o profano...

Quem sou eu?

Sou as diversas imagens que penetram os olhos
daqueles que me olham de viés.
Anos de terapia e alguns fantasmas continuam aqui,
em algum lugar dentro do peito.

Acorrentados ou presos em um baú pesado como o mundo.
Baú em que guardo velhas canções, alguns amores,
vários fracassos, incontáveis erros e medos...

Muitos medos!

Algumas vezes preciso abrir o baú
e de lá escapam assombros do meu passado,
rememorando coisas que não quero lembrar,
ou que preciso esquecer...

Retiro de lá algum sonho
que ainda valha a pena reviver.
Olho de frente para aquilo que me assombra,
me machuca, me coloca em xeque.

A tua paciência me dá forças e alguma coragem para mantê-lo aberto
e olhar para dentro desse baú com autoridade.
Você me dá segurança, um norte.

Contar-te tudo isto é ver-me sem espelhos, 
sem meia luz, sem metáforas, sem baús...
Só eu, você e meus amargos segredos!

Confesso...
Sou uma farsa! Um paradoxo!

Para cada um que se apresenta
ofereço o meu “eu” conveniente.
Sim... é isso... como diz o ditado,
‘a ocasião faz o ladrão’!

Já estou a desconfiar que possa estar vivendo
o conto do Sábio Chinês:

Estaria eu dormindo,
sonhando estar de frente para um doutor
ou seria eu o próprio doutor,
imaginando a mim mesmo como um paciente no divã?

Jefferson Lima, Alba Santos e Marcela Torres
Enviado por Jefferson Lima em 23/03/2013
Alterado em 28/02/2021
Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários
Site do Escritor criado por Recanto das Letras